domingo, 22 de outubro de 2017

Combinação explosiva: pâte à choux e chocolate

Hoje foi dia de éclair. Nunca tinha feito pâte à choux, a massa cozida da bomba, da carolina, do paris-brest... Na verdade, nem é difícil, o preparo é até rápido, mas chegar ao éclair-bomba propriamente dito demora um pouco por conta das diferentes etapas (fazer e gelar crème pâtissière, preparar a massa, assar até dourar, fazer um fondant ou ganache para cobrir). Como não tinha bico de confeiteiro maior, minhas bombas ficaram mais magrinhas, e algumas não deu para abrir e rechear. Mas o ponto ficou exato: bem assadas, aeradas e com aquele vaziozinho deixado pelo ar quente.
Usei a receita da Mariana Sebess para a massa, a da Rita Lobo para o creme de confeiteiro de chocolate e criei uma ganache com chocolate picado, creme de leite e um pouco de manteiga para dar brilho. Adorei o resultado dos meus éclairs rústicos.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

O doce e achocolatado sabor do pão australiano

Amo pão australiano e seu gosto doce e achocolatado. Ainda não tinha tentado fazer, mas de tanto comprarmos pão australiano da Limiar, uma (boa) marca industrializada local, resolvi que era hora de achar uma receita doméstica.
Encontrei uma no site paorustico.com - o único senão é quanto ao preparo: como se pede para misturar todas as farinhas e a água e o fermento somente depois, desconfio que por isso (o fermento não ser previamente ativado) o pão cresça pouco. Mas o sabor é incrível!
No Desafios Gastronômicos, achei outra receita, com o fermento sendo ativado antes e sem uso de farinha de centeio - que, embora eu adore, é muito cara por aqui. Até usei na receita, mas em termos de custo não vale a pena.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Mjadra

É difícil para mim escolher uma comida favorita. Eu gosto de muitas. Gosto de comida. Mais fácil é dizer do que não gosto - fígado, talvez. Mas uma culinária que me atrai bastante é a árabe/síria, com todos os seus temperos.
Outro dia fiz mjadra, o arroz com lentilhas e muita cebola caramelizada. Até congelei o que sobrou. Costumo fazer a lentilha e o arroz separados e então juntá-los na hora de colocar as especiarias (cravo em pó, canela em pó, noz-moscada, sal, pimenta-do-reino, summac e às vezes coentro em pó).
Desta última vez, fiz com arroz integral, mandei ver nos temperos e preparei numa frigideira grande, quase uma paellera. Fiz como se fosse paella ou risoto, e demorou bem mais a ficar pronto - quando o arroz estava quase al dente, acrescentei a lentilha, que custou a cozinhar. Mas, desse modo, ela não ficou mole demais, o cozimento dos grãos foi mais uniforme. Também tenho deixado a cebola dourar em fogo baixo (poderia ter ficado mais amarronzada, mas a fome bateu antes). Mil técnicas. 

Feijuca de aniversário

A primeira feijoada que fiz, com direito a post aqui, foi a pedido de Guga. De lá pra cá, fui me aperfeiçoando. E a feijuca de aniversário que fiz para ele foi a mais longamente preparada, comme il faut.
Comecei na véspera, dessalgando as carnes (lombo defumado, salpresa e charque) de hora em hora, colocando o feijão de molho por umas 2 horas antes do cozimento - desta vez, a proporção de feijão foi maior que a de carne.
Depois de limpar as carnes, tirando o excesso de gordura, fui colocando cada tipo de uma vez no feijão já em cozimento, com intervalos de meia hora entre um tipo e outro, os embutidos (linguiças portuguesa e calabresa) no final. Acrescentei água de quando em quando, para o cozimento ser lento e gradual. Entre o início do processo e o cozimento, foram 10 horas. Daí, fui dormir, enquanto a panela emprestada da sogra ficou sobre o fogão, maturando a mistura, realizando a alquimia própria dos pratos "cozidos".
No outro dia, já cedo, fervi a feijoada (para não azedar), enquanto preparava alho picado e cheiro-verde para o tempero. E só. Nada de cebola. Nem de sal. Retirei parte do caldo para bebermos à parte, batido com alguns grãos. Mais umas 3 horas até considerar "pronta" a feijoada. E ficou uma delícia!

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Coisas chatas x alegrias de padeira

Como a vida não é só bichinhos fofos, pedal, comida boa, nos últimos dias tive uns perrengues. Soube, ao consultar meu extrato de cartão de crédito, que tive o mesmo clonado e usado em compras internacionais - por sorte, pequenas (até porque meu limite é pequeno mesmo). Consegui resolver logo, ligando para o banco, que cancelou as compras e providenciou o estorno na outra fatura. Mas fica aquela sensação de vulnerabilidade, de invasão.
Outra coisa bem chata é que, com a greve dos Correios, não recebi ainda o cartão novo, nem o frequencímetro que comprei há mais de um mês, nem uma compra de cadernos que fiz (e que, na verdade, nem tive resposta se o fornecedor enviará à Livraria Cultura). Claro, acho a greve legítima, mas estou naquela expectativa ansiosa e irritante.
Mas, porém, contudo, todavia, alguma coisa boa tinha que acontecer. Depois do malfadado não show de Gilberto Gil, fomos encontrar Cinho e Tai. E descobri que o pai dela tem uma distribuidora de insumos para padaria, inclusive da farinha de trigo que gosto de usar, Finna. E ela me deu 1 kg de farinha integral de boa qualidade para experimentar, benfazejamente. Acabei fazendo uma cuca de banana - inclusive porque ganhamos bananas do vizinho.
Se não estivermos atentos, deixamos de perceber os pequenos e diversos presentes cotidianos, que fazem frente às eventuais chaturas que também ajudam a compor a existência. Uma espécie de trégua, um respiro necessário.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

A importância da concentração

Voltando do pedal com o marido, outro dia, me estabaquei na calçada, tolamente. Fui fazer graça em resposta a um comentário dele e, quando me dei conta, o pneu já tinha raspado na guia e eu voei por cima da bike. Até então eu estivera superconcentrada no meu pedal, na minha respiração, e bastou uma distração pra eu ganhar uma raladura dolorida no cotovelo e rasgar minha jersey de mandacarus.
Hoje já não tenho dúvidas de que estar concentrada, inteira, presente no que faço é o melhor estado, que traz os melhores resultados. Pro trabalho, pra cozinha, pro pedal, pra arte, pra vida. Quantas comidas de bola, queimaduras na porta do forno, tombos, pontos malfeitos, más escolhas seriam evitados?
Claro que nem sempre é possível estar 100% ali, por ter alguma preocupação, por estar esgotada ou de saco cheio. Aí, talvez, o melhor seja fazer outra coisa, nem que seja por 10 minutos. E tentar voltar à concentração. Respirar, zerar os pensamentos e concentrar-se. Experimentar a plenitude do momento, experimentar estar integralmente em contato consigo mesma. É muito, muito bom.

Gostaria de ter escrito: Arqueologias culinárias da Índia

Ou qualquer coisa nessa linha. Que delícia ler sobre comida, em um livro escrito por alguém que não só tem prazer na degustação como também no entendimento do que há por trás dos hábitos alimentares.

domingo, 24 de setembro de 2017

O famoso gato por lebre - show de Gilberto Gil sem Gil

Tá, viramos ratos da Concha Acústica - vimos shows ótimos lá: Tom Zé, Zé Ramalho, Novos Baianos, Milton, O Grande Encontro. E achamos que não poderia ser diferente com o amado Gilberto Gil. Mas foi.
As informações sobre o show de comemoração de 40 anos do álbum Refavela, tanto no site do Teatro Castro Alves quanto em sites locais de cultura, como o IBahia e do jornal Correio, falavam que Gil receberia outros artistas, como Céu, para cantar as canções inspiradas em sua viagem à Nigéria. Porém, foi uma espécie de karaokê de familiares de Gil e Caetano, com tentativas explícitas de lançar artistas desconhecidos, como a nora de Gil, casada com o produtor do espetáculo, Bem. O anfitrião do show, na verdade, era Moreno Veloso. Gente, quando é que eu pagaria 120 reais e venceria 60 km de estrada para assistir Moreno Veloso saltitando para lá e para cá? Para ouvir o tímido vocal da nora de Gil? Para só ver Céu 1h20min depois de iniciado o show - quando, na verdade, já estávamos indo embora, por fim convencidos da trapaça toda?
O show começou com um áudio da voz de Gil, gravado nos anos 70, falando do lançamento do álbum. Foi o único sinal de sua presença, ainda que em todos os cartazes sua foto e seu nome apareçam em primeiro plano, inclusive na frente do TCA (grande responsável pela venda do engodo). Pelo que vi no site do Correio de hoje, "quase no final da festa, Gilberto Gil entrou no palco, colocando toda a Concha para dançar ao som do batuque da Patuscada de Gandhy". É realmente possível que aquelas 5 mil pessoas tenham achado normal ir a um show de Gilberto Gil com "participação especial de Gil", quando o que se vendeu foi sua atuação como anfitrião? A minha impressão é de que a maioria do público presente (porque, sim, mais gente foi embora) tenha achado mais cômodo esperar, que tenha se conformado com uma participação, mesmo que mínima, do artista.
Em uma entrevista do Correio, cuja chamada é de que Gil seria o anfitrião, somente no meio do texto dá-se a entender que ele vai cantar 3 músicas durante o show (se tivesse lido isto há 3 semanas, nem perderia tempo). De resto, parece haver um grande conluio midiático para promover o show e os parentes menos famosos do cantor. Tristes tempos estes, em que a cultura também é manchada pelo oportunismo, pelo favorecimento de iguais, em detrimento da maioria da população.

Atualização no dia 25 de setembro:
Teatro Castro Alves: Prezada Solange, lamentamos pelo seu descontentamento. O show de fato se configurava como um tributo, e não como apresentação de Gilberto Gil. O release publicado no site do TCA, disposto pela produção do evento, fazia esta contextualização. Ademais, esclarecemos que a realização do show e do projeto é independente, não se tratou de um espetáculo promovido pelo TCA. Ficamos à disposição para quaisquer esclarecimentos.
Solange Lemos: Teatro Castro Alves, ninguém lamenta mais do que eu, que tenho ido a tantos shows na Concha Acústica, e observado problemas aqui e ali, como a superlotação do espaço e os gritos do público na direção de quem está de pé. Lamento muito que a sanha do lucro produza massas apinhadas nos acessos às arquibancadas da Concha Acústica, que não haja nenhum cuidado da produção com a segurança e o bem-estar do público. Lamento a comunicação dúbia apresentada/compactuada no site do TCA e em outros meios digitais e no cartaz enorme diante do teatro no caso do evento referido. Lamento sobretudo por saber de antemão que esta seria a resposta óbvia à minha reclamação - "não temos nada a ver com isso" porque "o evento é independente", embora eu tenha comprado do TCA, e não da produtora de Bem Gil, os ingressos, o que configura responsabilidade solidária. Lamento, lamento muito mesmo que esse grande complexo tenha se tornado tão pouco convidativo, tão pouco "cultural".

domingo, 17 de setembro de 2017

Comemorando com etruscos e ingleses

Comentei aqui outro dia que estava querendo fazer um prato "etrusco" e uma banoffee pie. Calhou que eu e o marido tínhamos o aniversário de namoro a festejar - eu já não comemorava mais em setembro, porque há o dia dos namorados e também porque resolvemos morar juntos em outra data, além de as comemorações anteriores terem sido meio zicadas. Mas, como foi ele quem se lembrou da data, achei digno retomar a data setembrina. E assim entraram em cena o maiale al latte etrusco/romano e a banoffee pie inglesa.
Os preparativos começaram na véspera, porque quis marinar a carne de porco (usei filé mignon suíno em vez de lombo), embora a Samin Nosrat, professora de culinária do Michael Pollan, não indique isso, mas apenas temperar com sal e pimenta um pouco antes. Eu vi umas dicas num outro site de alguém que já fez o prato e resolvi juntar as duas receitas. Então marinei com vinagre de vinho (porque não tinha vinho), sálvia, alecrim, alho, sal, pimenta-do-reino e limão, para no outro dia selar a carne em azeite bem quente e então adicionar mais alho, sálvia fresca, sal, raspas de casca de limão e 1 litro de leite, incorporado aos poucos, ao longo de quase 3 horas de cozimento. 
Quanto à torta, segui a receita da Dani Noce. O creme de confeiteiro de doce de leite não ficou tão firme, embora gostoso. A dica do creme de leite em lata sem soro e bem gelado para fazer chantilly não funcionou; também não consegui usar meu sifão. Lá fui eu em busca de um preparado para chantilly, da Fleischmann mesmo. Ainda assim, ficou bem gostoso e bonitão. 
O maiale al latte fica com um aspecto talhado, uma espécie de vômito de bebê como bem descreve o Pollan. Mas é uma delícia, ainda mais acompanhado de legumes ao forno.
Foi um jantar preparado lentamente, com paciência, respeito e total atenção, ingredientes também para um relacionamento de longa data como o nosso.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Baguetes au levain e incentivo em grupo

Depois do curso de panificação em São Paulo, tenho estado em contato com os colegas pelo whatsapp. Tem sido muito bom ver as criações paníferas de Norte a Sul do país. Acabamos nos incentivando uns aos outros, o que é maravilhoso. Vejo as criações de Rafa, Guerra, Raul, Júlio e Janete e quero fazer também. Eu, ainda com meu forninho doméstico, vou junto. E eles também torcem, uma preciosidade nestes tempos esquisitos de desamor e intolerância.
Enquanto não compro meu forno profissional, faço baguetes au levain. Mas acho que não precisava ter demorado tanto para chegar a esse resultado, embora tenham ficado ótimas - claro que valeu também como desculpa para refrescar o fermento (que logo vai completar 3 anos!).

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

De tédio, aqui não se morre

Não posso reclamar de tédio na minha vida. Nunca. Posso sufocar por fazer somente a mesma coisa, querer sair por aí, espanar a mesmice - mas não posso falar que a vida em si é tediosa, pois ela tem momentos tão diversos, coisas acontecendo ao redor da mesmice, que seria injustiça classificá-la assim.
Ontem, matei meu primeiro (pequeno) escorpião, no banheiro de casa. Depois interrompi com Raid e raiva a cópula de duas baratonas. Hoje soube que meu pão bonitão de damasco e nozes embatumou - e lá fui eu fortalecer o levain, até porque já faz algumas vezes que os pães de levain não têm saído bonitos e gostosos.
Hoje também fui ao primeiro encontro como voluntária no projeto de jovens local. Isso já foi um sopro benfazejo sobre a rotina: não sei viver sem cebolas, mas também não sei viver sem compartilhar o conhecimento.
Outro dia pensei em por que temos assistido a tantos filmes e séries sanguinolentos - a vida imitando a arte e vice-versa - e concluí que queria um pouco de beleza na minha vida. Aí fico sabendo que haverá uma oficina do Matizes Dumont em Salvador. Claro, estarei lá, em busca de beleza e histórias.
Em meio aos horrores de notícias de catástrofes naturais, corrupção e violência (catástrofes sociais), oriento um amigo na feitura de seus pães, pelo bate-papo virtual.
Eu bem gostaria de pegar um cinema de vez em quando, de viajar mesmo que para perto, mas devo admitir que tem sido interessante olhar com mais atenção para a vida cotidiana, que agrega a cada dia pequenas mudanças na tessitura que dela faço.

domingo, 10 de setembro de 2017

Pães e ideias lariquentas de final de semana

Tenho me programado para fazer pães no final de semana, no mínimo. Como temos um aniversário a comparecer amanhã, resolvi fazer pães para a reuniãozinha. Os escolhidos foram o de damasco e nozes de levain e o rústico de ervas da Heloísa Bacellar, sucesso. Já usando uma grade apropriada para o resfriamento.
Claro que, nesse meio tempo, no intervalo de uma ou outra fermentação ou modelagem, relendo o livro do Pollan, vi uma receita de porco cozido no leite, e depois achei a própria, publicada pela professora de culinária do autor: chama-se maiale al latte, talvez uma receita etrusca. Quero fazer, pra ontem. Também querendo fazer banofee pie. Pra anteontem. Isso pra não falar nas ideias de cardápio semanal, à base de curry, batata-doce, funghi secchi.
O problema da cozinha é apenas esse: querer fazer cada vez mais. E eu que reduza as porções e aumente os giros no pedal, pois emagrecer está cada vez menos fácil.

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Encomenda valendo

Recebi outra encomenda de pães. Mas agora eu estava emocional e tecnicamente mais preparada - houve tempo para comprar ingredientes, planejar o mise-en-place e tal.
Porém, como eram pães delícia, o tempo de preparo foi grande. Fiquei o dia todo por conta disso, e estava tão concentrada que nem senti fome - só quando os pães saíram do forno com aquele cheirinho irresistível.
Como eles ficaram supermacios, preferi entregá-los sem empilhar, para não correr o risco de amassados. E tinha até cartõezinhos prontos para deixar minha marca, com gosto de sol.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

A diferença que a boa qualidade faz

Ultimamente, quando compro utensílios, ou são de cozinha, ou são de ciclismo. Me divido entre uma compra de grade de pães e cookies e um frequencímetro no Mercadolivre, por exemplo. E atesto que faz uma diferença enorme que ambos sejam de boa qualidade. Guga diz que de vez em quando precisa apelar para a "Solange" que existe dentro dele para comprar algo mais caro, e eu logo argumento que isso é normalmente um investimento de médio e longo prazo.
Eu tinha quase tudo de boa qualidade associado à bike, mas ainda não tinha uma bike nova. Não que LaBelle não seja ótima, mas ela não ajuda muito em treinos mais longos - depois de 40 minutos, já sinto dor no trapézio. Bem ou mal, embora seja uma bike feminina, ela é grande para mim.
Quando Guga foi comprar Pérola, eu já tinha visto uma Cannondale Foray na loja de Ramiro. Foi experimentá-la e ter a sensação de vestir a armadura do Homem de Ferro, ajuste perfeito. Quadro para mulheres pequenas, mais estável que a GT, aro 27,5, pneus de kevlar. Fiquei de estudar o assunto e voltar depois.
Mais de quatro meses depois, voltei. Ainda experimentei uma GT e uma Caloi só pra ter certeza, mas o quadro das duas ainda era grande. Lá estava a Foray. Comentei com o vendedor que minha única questão eram os componentes da bike, não tão bons quanto os da Caloi, por exemplo. Ele propôs, e depois foi chancelado por Ramiro, trocarmos os componentes e acertar a diferença. Fariam a troca das peças sem cobrar nada. Ainda por cima, a bike estava com um desconto de uns 15%. Claro que ela custou metade de uma bicicleta de trilha para competição, mas vai super dar conta do recado com o que espero dela.
Hoje, fiz a estreia. E deslizei. A sensação de ter feito metade do esforço habitual pedalando mais longe. Até a megaladeira de casa eu subi até o fim.
Agora, LaBelle será a bike dos pequenos deslocamentos cotidianos. A recém-chegada é, desde já, a nova abridora de caminhos.

terça-feira, 22 de agosto de 2017

Peixe no papillote com legumes e salada

Sem segredo: caminha de legumes (previamente cozidos al dente), filés de tilápia, sal, limão, azeite, pimenta-do-reino e ervas frescas. Tudo envolvido pelo papel alumínio e levado ao forno por 15-20 minutos.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Como é bom arrumar gavetas!

É muito difícil não procrastinar tarefas chatas - isso é normal, humano. Eu é que vinha procrastinando muita coisa, do tipo atualizar o sistema do computador, separar roupas para doação... A atualização do Mac veio à força, porque já não estava conseguindo utilizar vários programas. Com as outras coisas a enfrentar, estou tendo de reprogramar a mente mesmo. Aquela história de contar só até 2 para começar a fazer algo.
Passei o final de semana arrumando coisinhas diversas - um gancho necessário aqui, etiquetar cabos ali, aproveitando para limpar a sapateira onde ficam guardados. Isso me fez lembrar do gaveteiro do banheiro, agora limpo e reorganizado - e assim vão para o lixo produtos vencidos e objetos quebrados. Diante da re-reclamação do marido da sua falta de espaço no cabide de roupas, arrumo outro lugar para as bolsas (e não ouço um piu a respeito). Por fim, separo mais roupas para doação, inclusive algumas que, por alguma razão obscura, acreditava que ainda usaria.
Arrumo mais gavetas, caixas, colares (que voltei a usar). Entre uma coisa e outra, coloco roupa e louça pra lavar, replanto as mudas de nim que ganhamos (e que agora já não sei se é uma boa ter, por talvez ameaçarem as árvores frutíferas vizinhas), e ainda faço dois pães rústicos diferentes.
O bom disso tudo é que, ao final, pensamos: por que demorei tanto a fazer isso? Afora a questão do bem-estar inegável após uma boa arrumação/reorganização, a pergunta irradia para todas as outras coisas procrastinadas. Hoje, por exemplo, a preguiça de editar o material de um autor difícil. Cerquei o texto, compartilhei os poréns com o chefe e mandei bala. Com certeza, encorajada pelas gavetas arrumadas no final de semana.
Como a lista de a-fazeres não tem fim, o melhor é adotar uma ação orgânica, fluida, constante. Assim evita-se a sensação de soterramento e de não saber por onde começar.

Bike bloc de jawbreaker

Comprei óculos decentíssimos para pedalar - o JawBreaker da Oakley numa superpromoção de outlet, menos da metade do preço. 
Além de lentes perfeitas, que filtram a claridade e evidenciam cores fundamentais na estrada (branco, amarelo, vermelho), ainda me deixam com esse ar de ciclista de speed, rá!

domingo, 20 de agosto de 2017

Pães rústicos: de trigo sarraceno e de amêndoas e tâmaras

Outro dia, um dos colegas do curso de pães comentou que tinha feito um pão com levain e trigo sarraceno. Lembrei do trigo sarraceno que trouxe de SP e resolvi fazer, sabendo apenas que a receita do colega tinha 40% de trigo sarraceno em relação à farinha de trigo. Acabei utilizando 300 g de farinha branca, 120 g de trigo sarraceno, 150 mL de água, 100 g de levain e 5 g de sal - talvez pudesse ter utilizado mais água, para a massa ficar mais elástica e leve. Mas o cheiro de caramelo e o sabor já compensaram a experiência.
Também fiz um pão com levain, amêndoas e tâmaras (as superdoces trazidas por Nana), mas desta vez utilizando também 5 g de fermento biológico seco, para ajudar no crescimento - vê-se a diferença das duas massas na primeira foto. A receita ficou assim: 310 g de farinha branca, 90 g de farinha integral, 30 g de amêndoas picadas e 40 g de tâmaras picadas sem caroço, além de 6 g de sal e 200 mL de água. Depois descobri que errei a proporção - deveria ter usado 210 de farinha branca, por isso o pão ficou mais seco, pouco alveolado, embora gostoso.
Aliás, este é um retropasso importante: estudar as proporções dos ingredientes, o processo de autólise e as diferenças entre os tipos de fermentação. Lição de casa.

sábado, 12 de agosto de 2017

Quase uma encomenda

Hoje foi dia de padaria aqui em casa - amanhã também será um pouco. Já estava me organizando pra fazer pão de aveia para nós e também medialunas para levar às colegas do pilates quando me apareceu um pedido-quase-encomenda ontem, da mãe de um amigo que fomos visitar. 
Ela ficou sabendo que eu estava fazendo pães e queria encomendar alguns; eu expliquei que ainda não havia nada estruturado, mas disse que faria um pão para ela, que assim poderia me dar sua opinião sobre o "produto". 
Escolhi fazer um de multicereais, receita do Shimura. Bati bastante tempo até chegar ao ponto de véu - espero que tenha ficado bom. Aliás, essa assimilação recente da ideia de ponto de véu já tem feito diferença nas fornadas. Hoje também apliquei algumas técnicas do curso de pães, inclusive para abrir o emplastro de margarina das medialunas
O pão de aveia seguiu a receita da apostila do curso na Levain: eu perdi a parte prática porque estava resolvendo questões bancárias e só hoje pude comprovar como fica leve e gostoso. Da próxima vez, vou cobrir com aveia também. 
Em tempo: as medialunas ficaram incríveis, mais folheadas e crocantes, uma perdição!

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Coração de pai

Nós, mulheres, andamos mais exigentes. Ou melhor, naturalmente exigentes - exigimos o que nos é de direito, sobretudo mais justiça na óbvia diferença entre gêneros. Parece que acordamos de um longo sono, e a maioria de nós já não aceita abusos vindos de todo lado, de chefes, companheiros, familiares, desconhecidos. Claro que isso se reflete também num dos papéis sociais mais tradicionais e santificados/sacrificados, o de mãe, e em sua versão soft, o de pai.
Na minha singela opinião, ser pai deveria ser o correspondente masculino a ser mãe, com todas as responsabilidades que o "cargo" traz. A mãe já sai com bonus track de ter carregado o rebento por nove meses, vai amamentar, ficar exausta, entonces o pai deveria se esforçar por equivaler. Mas nossa sociedade machista já considera que ele equivale, mesmo que pouco faça, que nada faça, ou que faça mal. O pai, muitas e muitas vezes, quando muito, se contenta em fazer um tímido backing vocal.
Por isso admiro os homens que saem da zona de conforto, que abandonam a ideia de que "ajudam em casa", que assumem que são companheiros de fato, pro que der e vier. Já é alguma coisa que se preocupem, mas que se ocupem, ah, isso é realmente revolucionário.
Quando penso em pai, penso, como já disse aqui, em meu avô Antonio, meu avôhai. Como já disse, não precisou ser perfeito para ser pai, só precisou ser, assumir, sentir-se.
Quando vejo a relação de meu marido com seu filho, e como ele cuida dos filhotes da casa (ainda que ser pai e mãe de pet seja infinitamente mais fácil), creio que ele esteja no caminho certo da revolução. Pode ser que caia aqui e ali, coberto pelo bombardeio de contradições do mundo machista em que foi criado, mas ele prossegue.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Habitués da Concha

Na falta de um Sesc, nosso lugar de lazer é a Concha Acústica, caçadores de pérolas que somos.

Quadradinhos de caramelo e chocolate e a volta das medialunas

No final de semana, queria testar algumas receitas e também experimentar a margarina forneável Amélia, que utilizamos no curso de pães.
Uma das receitas não deu muito certo: os cookies de aveia sem farinha integral se espalharam pela forma, provavelmente porque não havia ingredientes secos o suficiente para absorver a gordura da manteiga e das gotas de chocolate. Ficaram gostosos, embora mais finos, e tive de cortar em quadrados quando secaram.
A outra foi a de quadradinhos de caramelo e coberto de chocolate, feitos com biscoito água e sal, do I could kill for dessert, da Dani Noce. Muito boa! Adorei o caramelo feito com leite condensado, açúcar mascavo e manteiga. Mas dá-lhe gordura, açúcar e lactose! Aproveitei para usar todo o saquinho de gotas de chocolate Callebaut de uma vez só.
Quanto à margarina Amélia, deu supercerto fazer medialunas com ela. Como eu tinha deixado o pacote no congelador, foi meio difícil fazer o emplastro no meio da massa e deixar uniforme com o rolo, mas no final os pãezinhos ficaram gostosos (talvez ficassem mais folheados se tivesse conseguido espalhar melhor a margarina). Ainda tenho quase um quilo dela, então outros testes virão.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Cabelo ou "O chamado" (filme)

Gosto da minha cabeleira. Houve só duas vezes que tentei enrolar os cabelos para ir a uma festa, e ficou estranhíssimo. Claro que nunca tive problemas de bullying com meus cabelos, e acho triste quando alguém quer alisar os seus só para atender a um padrão estabelecido por outrem - quando o desejo de mudança é inteiramente pessoal, não vejo problema algum: cada um que seja o que quiser ser.
Depois que vim para a Bahia, meus cabelos mudaram. Dificilmente eu sofria com o frizz em São Paulo - aqui, forma-se uma espécie de névoa capilar em torno da cabeça. Pela primeira vez, tive que comprar leave-in; uso também um hidratante spray Bepantol. Da última vez que cortei os cabelos (pedi algo diferente ao meu hair stylist de quase 20 anos), eles cachearam - e não esqueço o choque do marido ao me buscar no aeroporto: "O que você fez com seu cabelo?". Ele chegou a suspeitar que meu cabelo na verdade sempre foi enrolado, mas que eu fazia escova/chapinha/alisamento em São Paulo e, claro, escondia isso dele (!!!!).
Agora os cabelos estão crescendo de novo - desordenados, alguns fios eletrizados e esbranquiçados, alguns finos e outros grossos. Mas de um jeito que identifico como meus, ainda bastos e fortes. Aí só me resta fazer uma selfie à la Tropix de Céu e cantar com Gal:

"Cabelo, cabeleira, cabeluda, descabelada
Cabelo, cabeleira, cabeluda, descabelada
Quem disse que cabelo não sente
Quem disse que cabelo não gosta de pente
Cabelo quando cresce é tempo
Cabelo embaraçado é vento
Cabelo vem lá de dentro
Cabelo é como pensamento
Quem pensa que cabelo é mato
Quem pensa que cabelo é pasto
Cabelo com orgulho é crina
Cilindros de espessura fina
Cabelo quer ficar pra cima
Laquê, fixador, gomalina
Cabelo, cabeleira, cabeluda, descabelada
Cabelo, cabeleira, cabeluda, descabelada
Quem quer a força de Sansão
Quem quer a juba de leão
Cabelo pode ser cortado
Cabelo pode ser comprido
Cabelo pode ser trançado
Cabelo pode ser tingido
Aparado ou escovado
Descolorido, descabelado
Cabelo pode ser bonito
Cruzado, seco ou molhado"

O clamor da tecnologia

Anteontem, aconteceu uma coisa superbacana: herdei um celular da minha cunhada, um iPhone 4. O meu Samsung vive dando pau, com cerca de 1 ano e meio de uso, e já pensava em comprar um novo, de outra marca, assim que possível. Mas provavelmente não seria um iPhone, pelo preço. Daí apareceu esse, para eu ter o gostinho de um celular mais interativo com boa câmera.
Ao mesmo tempo que achei ótimo, senti um temorzinho, uma leve desorganização interna ao pensar nas providências que as coisas novas sempre exigem. Por exemplo, acabei de atualizar meu iMac, com muito custo, após dois meses tentando - no final, era tudo uma questão de colocar os dados do cartão de crédito, mas até descobrir isso fiquei uma hora e meia no telefone na segunda-feira com os técnicos do suporte Apple. Já passei também pelo suspense de manter minhas fotos todas na máquina, uma vez que o programa que usava para arquivá-las não está mais disponível e o sistema apresenta outro após a atualização.
No trabalho, também, as perspectivas de "tecnologizar" são grandes. Uso de outras mídias, e a minha premência de usar calendários digitais para não esquecer compromissos - e já vejo o iPhone herdado como uma contribuição bem-vinda ao processo de memorização.
Além das histórias com produtos Apple, comprei uma cinta cardíaca bluetooth, para os treinos de bike. Mais tecnologia, inclusive com o app Strava, para acompanhar treinos. Mais borboletas em panapaná no estômago canceriano, que anda lento para digerir tanta coisa.

Salada mediterrânea de macarrão

Simples e gostosa? Eu! Brincadeirinha, é a salada mediterrânea de macarrão que fiz hoje para o almoço.
Estava a fim de fazer salada de macarrão, e outro dia vi uma receita simples de salada grega (pepino, tomate, queijo feta, azeitona). Resolvi então misturar as duas coisas, tão mediterraneamente deliciosas. Adicionei lascas de parmesão e manjericão, além de um fio(zão) de azeite, sal e pimenta-do-reino moída na hora. Ficou uma delícia!

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Sorvete de cheesecake

Fazia séculos que eu não preparava sorvete, pelas questões já elencadas relativas ao creme de leite fresco. Apesar da minha descoberta do creme de leite 35% de gordura da Piracanjuba, este também não é fácil de achar por aqui - o pessoal de atendimento da empresa já me respondeu sobre os locais de compra, mas são distantes da nossa casa.
Whatever, outro dia Guga comentou que o creamcheese devia estar quase estragando. Logo pensei em uma receita para dar fim dele, e me ocorreu fazer um cheesecake. Não sei por qual associação cheguei ao sorvete e vi que havia receitas de sorvete de queijo - o que me fez lembrar de um ótimo da Häagen Dazs, justamente de cheesecake de morango.
Como ainda tinha a geleia deliciosa de morango com vinho que Sylvia trouxe outro dia, decidi juntar tudo. Também me lembrei de uma receita de creme de queijo com goiabada que a Talita me ensinou há tempos. Ou seja, creamcheese, creme de leite, leite condensado e suco de limão batidos no liquidificador, e a mistura foi para a geladeira. Quando ficou um pouco mais firme, misturei a geleia de morango.
Parte do preparado eu deixei no freezer, parte deixei na geladeira, para experimentar as diferentes texturas. Acho que o sorvete fica melhor - o creme ainda ficou muito liquefeito na temperatura da geladeira. Mas o sabor é ótimo, e lembra mesmo o do sorvete da Häagen Dazs.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Estimulando a criatividade


Vamos fugir

Vamos fugir deste lugar, baby!
Vamos fugir
Tô cansado de esperar
Que você me carregue
Vamos fugir
Pra outro lugar, baby!
Vamos fugir
Pra onde quer que você vá
Que você me carregue
Pois diga que irá
Irajá, Irajá
Pra onde eu só veja você
Você veja a mim só
Marajó, Marajó
Qualquer outro lugar comum
Outro lugar qualquer
Guaporé, Guaporé
Qualquer outro lugar ao sol
Outro lugar ao sul
Céu azul, céu azul
Onde haja só meu corpo nu
Junto ao seu corpo nu
Vamos fugir
Pra outro lugar, baby!
Vamos fugir
Pra onde haja um tobogã
Onde a gente escorregue
Vamos fugir
Deste lugar, baby!
Vamos fugir
Tô cansado de esperar
Que você me carregue

quinta-feira, 27 de julho de 2017

O bordado e as gerações

Quando cismei de bordar, como já disse aqui, foi por uma premência interna, já lá pelos 40 anos. Ou seja, nada a ver com pressões e padrões sociais - não TINHA que aprender a bordar para ser uma mulher prendada, valorizada pelos dotes casadoiros etc. Fui bordar porque queria, e no vaivém de linha e agulha descobri muito sobre mim.
Agora bordar e costurar estão na moda, como parte de um retorno a saberes antigos, talvez também por questões práticas relacionadas à crise financeira nacional e mundial, o faça-você-mesmo movido por necessidades econômicas.
Mas o que dizer quando uma menina de 6 anos se interessa muito por bordar? OK, teve algum contato com costura na escola bacana onde estuda e onde há alguns professores com ideias libertárias, tal e tal. Lulu teve algumas noções de costura, saber pregar botão e agora está às voltas com a confecção de um manto "pessoal", algo claramente inspirado no trabalho de Arthur Bispo do Rosário. E veio me pedir para ensiná-la, eu que pouco sei, mas que muito amo ensinar o pouco que sei, nunca perdendo uma oportunidade de aprender enquanto ensino.
Bueno, ontem, dez minutos antes do horário combinado, lá veio ela, meio esbaforida, pelo caminhozinho que traz à nossa casa: "tia Sol, tinha me esquecido da minha aula de bordado!" Porém, chegou adiantada, e logo foi se apropriando de linha, agulha e tecido. Pouco depois, chegou Tina, de 8 anos, mais interessada em pinturas, mas ainda assim disposta a acompanhar a prima no curso de bordado.
Tinha arrumado a mesa do lado de fora para bordarmos, mas logo começou a ventar e chuviscar forte, então entramos e elas se acomodaram na bancada da cozinha. Expliquei como colocar a linha na agulha, que elas poderiam escolher com quantos fios bordar. Pedi que fizessem um desenho no tecido, as duas fizeram... árvores. Expliquei como usar o bastidor, e lá se foram as duas, concentradas no alinhavo, conversando e filosofando enquanto bordavam.
Que o bordado continue entrelaçando as gerações, tecendo caminhos, narrativas e momentos como este.

Cabeceira

  • "Arte moderna", de Giulio Carlo Argan
  • "Geografia da fome", de Josué de Castro
  • "A metamorfose", de Franz Kafka
  • "Cem anos de solidão", de Gabriel García Márquez
  • "Orfeu extático na metrópole", de Nicolau Sevcenko
  • "Fica comigo esta noite", de Inês Pedrosa
  • "Felicidade clandestina", de Clarice Lispector
  • "O estrangeiro", de Albert Camus
  • "Campo geral", de João Guimarães Rosa
  • "Por quem os sinos dobram", de Ernest Hemingway
  • "Sagarana", de João Guimarães Rosa
  • "A paixão segundo G.H.", de Clarice Lispector
  • "A outra volta do parafuso", de Henry James
  • "O processo", de Franz Kafka
  • "Esperando Godot", de Samuel Beckett
  • "A sagração da primavera", de Alejo Carpentier
  • "Amphytrion", de Ignácio Padilla

Arquivo do blog